Idosa recompensa a bondade

Novembro 3, 2009

Jeanine Vromant, uma idosa francesa de 86 anos resolveu recompensar a bondade de todos aqueles que lhe mostraram caridade e simpatia, desde a empregada de caixa do supermercado local onde a senhora fazia as suas compras, o talhante local de Dieppe, todos os condutores de autocarro da companhia Stradibus de Dieppe e muitos outros que ajudaram a senhora. A toda essa gente que apreciou disse “Vai ter uma surpresa quando eu morrer”. Sem marido, filhos ou herdeiros directos, no seu testamento mencionou 200 pessoas que irão herdar uma parte daquilo que acumulou ao longo da vida, cerca de 280 000 euros.

 Idosa recompensa a bondade - Reportagem @ RTP


Dia das Bruxas – Halloween

Outubro 31, 2009

Apesar de ser uma festa pagã, a palavra “Halloween” tem origem na expressão: “All Hallow’s Eve”, que significa “véspera de todos os santos”, uma vez que se refere à noite de 31 de Outubro, véspera do Dia de Todos os Santos. Por todo o mundo, há crianças vestidas de bruxa e fantasma na noite de 31 de Outubro e outras tantas que escondem o dente debaixo da almofada para receber um presente da Fada dos Dentes. Duas tradições importadas dos Estados Unidos. Os símbolos mais conhecidos do Dia das Bruxas são as abóboras com velas, que iluminam os espíritos e as bruxas que se reuniam neste dia com o Diabo.


Entrada de noivos na igreja torna-se um sucesso no YouTube

Julho 27, 2009

O vídeo da entrada dos noivos Kevin Heinz e Jill Peterson na igreja em St. Paul no estado de Minnesota nos Estados Unidos  tornou-se um estrondoso sucesso no YouTube, com mais de nove milhões de visitas e mais de 45 mil comentários. No vídeo de pouco mais de cinco minutos mostra os noivos, os padrinhos e as damas de honor a entrar na igreja a fazer uma coreografia ao som da canção “Forever”  de Chris Brown, para surpresa dos convidados que aguardam o início da cerimônia. Em entrevista à NBC, Kevin e Jill disseram que a ideia da dança foi da noiva, sendo uma forma de “expressar e partilhar a alegria” que sentia por se casar. Jill disse que a dança foi ensaiada apenas uma vez antes da cerimónia. Segundo eles, as únicas pessoas que tinham conhecimento que a entrada na igreja seria feita daquela forma eram, tirando os participantes na coreografia os seus pais.

Jill and Kevin Wedding Entrance Dance

Muito bem conseguido…


Betty Boop faz 75 anos

Julho 23, 2009

 

Heroína da BD e dos desenhos animados, a eternamente sexy Betty Boop completa hoje 75 anos. Esta figura simpática e frágil foi criada pelo talento de Bud Couniham e conquistou fãs um pouco por todo o mundo até aos nossos dias. Frágil, elegante, olhos grandes, boquinha pequena, a formar beicinho, pernas bem torneadas, medidas exactas, ombros e pernas nuas, liga na perna esquerda, voz suave em que pronunciou vezes sem conta o famoso “boop-oop-a-doop”… Esta é a imagem de marca de Betty Boop que, se hoje pouco mais provoca do que um sorriso, quando chegou à BD, a 23 de Julho de 1934, em tiras diárias da autoria de Bud Couniham, possivelmente fez sonhar mais do que um leitor. Esse foi, no entanto, o segundo nascimento da sensual pin-up dos anos 30, inspirada no visual da cantora Helen Kane, já que a sua estreia acontecera a 9 de Agosto de 1930, em versão animada, num filme intitulado “Dizzy Dishes”, da autoria de Grim Natwick e Max Fleisher. O que poucos sabem é que então era uma… cadela (literalmente!), fazendo parceria com o cãozinho Bimbo, numa tentativa de emular o sucesso crescente e imparável do par Mickey e Minnie Mouse. Como a ideia não teve sucesso, a evolução para figura humana surgiu como alternativa, em filmes ambientados no meio cinematográfico, bem explícitos quanto ao tema sexo, com a cantora e actriz a usar vestidos bem curtos e, por vezes, até transparentes. Depois de uma parceria com Popeye, em 1933, a entrada em vigor do Hays Act, uma lei censória que veio regulamentar e “limpar” o cinema e os quadradinhos, obrigou a despojar Betty Boop do carácter provocador e provocante que a distinguia, tornando-lhe a vida breve nos quadradinhos, marcados por um humor ingénuo. A tira diária terminou logo em Março de 1935 e as pranchas dominicais, iniciadas em Dezembro de 1934, resistiram apenas até Novembro de 1937. Nos anos 80, ensaiou novo regresso à BD, em parceria com o (em tempos também) popular Felix the Cat, mas a experiência terminaria ao fim de quatro anos. Hoje, quando muitos ignoram as suas origens desenhadas, esta septuagenária que hoje cumpre as suas Bodas de Ouro na BD não é mais do que uma popular referência retro, usada e abusada em merchandising.

in Jornal de Notícias

Betty Boop


Queniano suborna polícia para prender o seu cão

Julho 15, 2009

O queniano Robert Njeru de 25 anos subornou a polícia para prender o seu cão de estimação depois de o animal ter mastigado o dinheiro que tinha como destino o pagamento do aluguer da casa. Robert Njeru disse à polícia que foi trabalhar e deixou o dinheiro em cima da cama, mas que quando voltou para casa os 3 mil xelins (cerca de 29 euros) estavam feito em pedacinhos no chão. O homem ficou zangado e então levou o cão até a polícia e pediu que prendessem o animal. Inicialmente recusaram mas após o proprietário concordar em pagar uma “taxa” a um dos agentes o cão ficou preso (50 xelins, cerca de 0,48 euros). O polícia que aceitou o suborno foi demitido e o cão foi devolvido ao seu proprietário. Entretanto  o queniano decidiu colocá-lo à venda para não ter uma nova surpresa no futuro.

in Daily Telegraph


A Caravela-Portuguesa

Julho 6, 2009

A caravela-portuguesa, também conhecida por garrafa azul, é o mais perigoso organismo que aparece nas praias portuguesas. Formada por uma parte gelatinosa semelhante à das medusas que anda à tona da água, fazendo lembrar uma vela – daí o seu nome –, possui tentáculos azulados que, em contacto com o corpo humano, podem provocar queimaduras de terceiro grau ou mesmo levar à morte de indivíduos com problemas cardíacos ou respiratórios. No ano passado foram registados 11 casos nas praias, em Peniche e Santa Cruz, em que as pessoas tiveram de ser hospitalizadas. No final de Abril, foram avistadas junto à costa espanhola, na zona de Múrcia, grupos até 50 exemplares. Há cerca de dez anos que a caravela-portuguesa não era detectada no Mediterrâneo, pelo que esta aparição fez soar os alarmes. Sendo uma espécie mais comum nas águas quentes do Sul, o seu aparecimento em zonas mais a Norte pode ser provocado pelas alterações climáticas e pela subida da temperatura do mar. No entanto, os cientistas conhecem muito pouco sobre esta espécie. Para o biólogo marinho português, Carlos Sousa Reis, o avistamento de algumas colónias junto a Múrcia não permite dizer que há um risco maior de a espécie aparecer com mais frequência em Portugal neste Verão. “É uma espécie que, como todas as da sua família, tem comportamentos que o Homem conhece muito pouco. O aparecimento em Múrcia é um episódio muito pontual. São colónias erráticas”, disse ao CM. Apesar das semelhanças não se trata de uma medusa mas sim de um cnidario da ordem dos sifonóforos cujo nome cientifíco é physalia physalis. É formado pelo Pneumóforo ou ‘vela’ que fica à tona de água e pelos tentáculos que chegam aos 30 metros e contêm o veneno que a torna perigosa para o homem. Caravela- Portuguesa (Physalia physalis) – Alimenta-se injectando o veneno em pequenos peixes ou camarões, arrastando depois as presas para os gastrozóides, um tipo de pólipo que envolve e digere a presa . Move-se sobre a superfície da água, empurrada pelo vento e pelas correntes e é mais frequentes em mar alto do que junto à costa. Que fazer em caso de “ataque” Chamar de imediato auxílio médico (112), – Se os tentáculos ainda estiverem em contacto com a pele, retirá-los com ajuda de luvas ou uma toalha, – Para aliviar a dor pode usar-se vinagre logo após o contacto com a pele.

in Correio da Manhã

A Fisália(Physalia physalis), vulgarmente conhecida por Caravela-Portuguesa, é “um animal” do grupo dos cnidários. Tem cor maioritariamente azul, com algum vermelho e tentáculos cheios de células urticantes. A caravela-portuguesa, que tem tanto de bonita como de perigosa, não é propriamente um animal mas um conjunto de vários organismos, unissexuais, com características diferentes e onde cada um tem uma função que assegura a sobrevivência de toda a colónia (alimentação – os gastrozóides; reprodução – os gonozóides; filamentos que pescam as presas – os dactilizóides). Semelhante a um barco em miniatura, sem locomoção própria, flutua à superfície das águas suave e lentamente ao sabor das marés e dos ventos – daí o seu apelido “Caravela Portuguesa”. O organismo visível é uma estrutura em forma de carapaça, que pode atingir 30 centímetros de comprimento e 10 centímetros de largura. Os seus tentáculos, por baixo, podem chegar aos 30 metros e estão sempre prontos a envolver um peixe para a sua alimentação. São estes longos filamentos os responsáveis pelo perigo da caravela portuguesa, uma vez que é lá que se encontra o veneno usado para ajudar a capturar as presas. Os filamentos funcionam como uma espécie de tentáculos que apenas são eficazes para capturar peixes de pequenas dimensões, camarões e outros animais encontrados no plâncton. É nos tentáculos que se encontram os cnidócitos, que são as células urticantes, portadoras dos nematocistos, accionados pela “rede nervosa”. A caravela-portuguesatem dois tipos de nematocistos: pequenos e grandes; estes “órgãos” conservam as suas propriedades por muito tempo, mesmo que o indivíduo tenha ficado várias horas a seco na praia, pelo que devemos evitar tocar-lhes mesmo quando as vemos em seco no areal de uma praia. Apesar de raramente se aproximarem da costa, vêm por vezes dar às praias, inteiras ou em fragmentos (crê-se que se separam por razões de reprodução). Não é por se tratarem apenas de partes da Caravela-portuguesa que estes fragmentos se tornam menos perigosos. São tão nocivos como a caravela inteira e basta tocar-lhes levemente para que o veneno se propague por contacto, espalhando-se rapidamente. A primeira sensação é uma dor intensa de picada e ardor. O membro picado fica entorpecido e, ao fim de algum tempo, surge comichão e urticária. A gravidade da picada depende do tempo de contacto e da quantidade de tentáculos nela envolvidos. A caravela-portuguesa é importante para a alimentação das tartarugas marinhas, que são imunes ao veneno.

in Público

Caravela- Portuguesa (Physalia physalis) - Reportagem SIC


Homem conduz bêbado e “estaciona” carro dentro de uma piscina

Julho 5, 2009

Na Austrália, na cidade de Perth, um homem  de 27 anos que conduzia bêbado acabou por ir parar dentro da piscina de uma casa, segundo noticiou a Sky News.  Don Robins, proprietário da residência e o seu vizinho ajudaram o condutor a sair do carro pois ele não conseguia por causa da pressão da água. Segundo o relato da polícia, o veículo derrubou uma cerca antes de “mergulhar” na piscina, o acidente aconteceu por volta da meia-noite. “Nós estávamos na cama quando ouvimos o estrondo”, afirmou Robins destacando ainda que foi o seu filho quem avisou que havia um carro dentro da piscina. O homem foi acusado de uma série de infrações de trânsito, como conduzir alcoolizado e de forma perigosa, além disso ele não estava habilitado a conduzir.

in Sky News


Carteira devolvida 63 anos depois

Julho 2, 2009

Um norte-americano foi surpreendido quando lhe bateram à porta para lhe entregar a carteira que havia perdido há 63 anos. Bill Fulton, de 78 anos, estava a lavar a loiça quando Melanie Trindle lhe bateu à porta com a carteira. Segundo o jornal «Baker City Herald», Fulton perdeu a carteira quando tinha 15 anos e já não se lembrava que tal tinha sucedido. A carteira aparentemente intocada foi encontrada durante a remodelação do ginásio da Baker Middle School, enquanto um funcionário removia a bancada do ginásio. Dentro da mesma encontrava-se o cartão que autorizava Fulton a andar de bicicleta e um cartão com a sua morada da adolescência. «É difícil de acreditar», afirmou o norte-americano.

in IOL Portugal Diário


Walkman faz 30 anos

Julho 1, 2009

O primeiro modelo do mais popular leitor portátil de cassetes chegou às lojas há 30 anos. O aparelho era azul e cinzento – e substancialmente maior do que qualquer moderno leitor de áudio. O Walkman foi o primeiro aparelho a massificar a música portátil. Mas, no que à tecnologia diz respeito, está longe de ter sido pioneiro. Os leitores portáteis de cassetes existiam há anos. O Walkman teve o mérito de ser um aparelho barato, prático (para os padrões da altura) e, sobretudo, bem publicitado pela Sony. Já em 1978, a própria Sony comercializara um leitor portátil de cassetes. Mas era demasiado caro para o consumo geral. Um dos administradores da empresa, porém, era fã do produto (usava-o nas longas viagens de avião) e deu instruções para que a empresa tentasse criar um leitor semelhante, mas com um preço que fosse comportável para a maioria das pessoas. A 1 de Julho de 1979, o Walkman chegou às lojas japonesas (mesmo antes das férias de Verão dos estudantes e com o objectivo de captar um público jovem). Não muito depois, o aparelho foi distribuído por outros mercados. A marca Walkman, contudo, esteve para ser usada apenas no Japão, havendo outros nomes planeados para introduzir os outros países: Soundabout nos EUA, Stowaway no Reino Unido e Freestyle na Suécia. Mas o facto de os cartazes publicitários já estarem impressos com a palavra Walkman antes de se colocar a hipótese dos vários nomes acabou por determinar que a marca pensada para o Japão (e em parte escolhida devido à enorme popularidade do Superman naquela época) seria usada ao nível global. O primeiro mês após o lançamento foi decepcionante: apenas três mil unidades foram vendidas e a imprensa e os comerciantes começavam a duvidar do sucesso da ideia. Mas a Sony reagiu rapidamente com um grande esforço de marketing. Como forma de campanha, a Sony ofereceu Walkmans a celebridades para que estas o usassem. Os funcionários das lojas também tinham Walkmans e incentivavam os clientes a experimentá-los. E os próprios funcionários da Sony passeavam-se pelas ruas japonesas com um Walkman. A empresa teve ainda de combater a má imagem associada aos grandes auscultadores (que, mais tarde, chegaram a ser moda). A estratégia deu resultados: as vendas dispararam, as primeiras 30 mil unidades produzidas esgotaram no final de Agosto e, antes do fim do ano, o produto era um sucesso e estava pronto para marcar o mundo da música da década de 80. Depois do primeiro Walkman, seguiram-se vários modelos com a mesma marca. E a designação não se esgotou nos leitores de cassetes – foi usada para outros leitores de áudio da Sony, incluindo leitores de CD, de míni-discs (uma tecnologia que nunca vingou) e nos modernos leitores digitais. Recentemente, a BBC fez com que um adolescente de 13 anos usasse durante alguns dias o primeiro modelo do Walkman em vez do habitual iPod. Foram precisos três dias para que o jovem descobrisse que a cassete tinha dois lados.

in Público

Walkman faz 30 anos - Reportagem SIC


Portugueses mantêm os escudos em casa

Julho 1, 2009

Os portugueses continuam agarrados à antiga moeda nacional, o escudo, e mantêm em casa notas que estão já fora de circulação no valor total de 110,46 milhões de euros. No final do ano passado, esse valor ascendia a 196,3 milhões, mais de duas vezes o valor que o Real Madrid pagou pelo passe de Cristiano Ronaldo. Os dados estão inscritos no relatório de 2008 do Banco de Portugal e mostram que no final desse ano os portugueses tinham na sua posse 39,53 milhões de notas da moeda antiga. Actualmente, estão ainda por recolher 12,39 milhões de notas de escudos, já que até ao ano passado o regulador recebeu 27,15 milhões. Em termos de quantidade, são as notas de 500 escudos as que estão mais disseminadas, já que estão por trocar 4,53 milhões (o equivalente a 11,31 milhões de euros). Se olharmos para o valor, as notas de cinco mil escudos são as que representam uma maior fatia: os portugueses têm em casa 40,29 milhões de euros nesta moeda. Recorde-se que com a entrada em circulação do euro o Banco de Portugal manteve a dupla circulação de notas entre Janeiro e Fevereiro de 2002. De então para cá, os escudos perderam validade na forma de pagamento. As notas podem contudo ainda ser trocadas na tesouraria das diversas delegações do Banco de Portugal, nas capitais de distrito. O prazo para a troca de notas é contado a partir de vinte anos após a retirada de circulação da série. As próximas notas cujo prazo de troca está a prescrever são duas: a de cem escudos com a imagem de Barbosa du Bocage e a de 500 escudos com a imagem de Francisco Sanches, ambas com data de prescrição no dia 1 de Junho de 2010. Em Novembro de 2011 finda a hipótese de troca da nota de mil escudos com a cara de D. Pedro V. Em 2012 é a vez da célebre nota de cem escudos com o rosto de Fernando Pessoa e a de cinco mil escudos com a imagem de António Sérgio. As restantes vêem o prazo de troca prescrever em 2018 e 2022. Quem não se puder dirigir às delegações do banco central pode enviar a nota por correio e receber a verba por via postal ou transferência bancária. Uma Fortuna em Notas Antigas: 5000 mil escudos Quantidade: 1,62 milhões Valor: 40,29 milhões de euros; 10 000 mil escudos Quantidade: 410 mil Valor: 20,60 milhões de euros; 1000 mil escudos Quantidade: 3,98 milhões Valor: 19,83 milhões de euros, 2000 mil escudos Quantidade: 1,85 milhões Valor: 18,43 milhões de euros; 500 escudos Quantidade: 4,53 milhões Valor: 11,31 milhões de euros.

in Correio da Manhã

Os portugueses ainda guardam antiga moeda nacional (Escudo) em casa - Reportagem SIC


Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.